terça-feira, 13 de julho de 2010

Do amor e das pipas

O primeiro brinquedo que aprendi a fazer foi um aviãozinho de papel. Dobrava daqui dobrava dali e estava pronto meu super jato. A pipa veio na seqüência. Diversificava nos tamanhos e modelos, minha pipa era uma pipa de grife, vestida com papéis de seda multicoloridos. Não sabia empinar bem, mas aprendi a fazer pipas com maestria, e isso me dava popularidade com os meninos da rua, que me encomendavam pipas para os campeonatos. Utilizava varetas finíssimas, sabia dosar a quantidade de cola, tudo isso proporcionava o peso ideal e garantia um excelente desempenho das pipas no céu. Foi meu tio Ícaro quem me ensinou a fazer pipas. Ele também adorava olhar o colorido no céu e ria muito com meu jeito desengonçado, nas inúmeras tentativas frustradas de aprender a equilibrar as pipas no alto. Vejo uma relação do nome do meu tio, Ícaro, com o da mitologia grega, o Ícaro filho de Dédalo que construiu o labirinto. O Ícaro que foi aprisionado e, ao conquistar a liberdade, ficou encantado com o poder do movimento das asas e quis voar alto demais. Seu pai tinha feito a advertência. Nem tanto ao sol, nem tanto ao mar. Disse ao filho que evitasse o calor excessivo, que poderia derreter as asas coladas com cera e que não descesse muito, pois a umidade do mar poderia tornar as asas pesadas. Creio que a fala de Dédalo traz o ensinamento tão caro aos gregos antigos: a busca do caminho do meio. Encontrar o equilíbrio para ter felicidade na vida. Quando meu tio Ícaro morreu eu tinha 11 anos e ele se foi voando, como no mito. De vez em quando ele volta para me visitar e sinto-me abraçada por ele sempre que vejo uma pipa no céu. Ou quando vejo meu tio pousar no sorriso de meu amor, rindo frouxo de minhas eternas descobertas de criança, feliz, aprendendo a fazer uma nova pipa.

4 comentários:

Elan Lopes disse...

Ah e como me sinto todo dia honrado por poder acompanhar suas descobertas de criança. Queria muito ter conhecido seu tio Ícaro. Adorei o texto minha linda. Beijo grande do teu amado.

Aline Lima disse...

Lindo demais Ana!!! Aí, lembrei da canção do Arnaldo que adoro.

CONTATO IMEDIATO
Composição: Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Carlinhos Brown

Peço por favor
Se alguém de longe me escutar
Que venha aqui pra me buscar
Me leve para passear

No seu disco voador
Como um enorme carrossel
Atravessando o azul do céu
Até pousar no meu quintal

Se o pensamento duvidar
Todos os meus poros vão dizer
Estou pronto para embarcar
Sem me preocupar e sem temer

Vem me levar
Para um lugar
Longe daqui
Livre para navegar
No espaço sideral
Porque sei que sou

Semelhante de você
Diferente de você
Passageiro de você
À espera de você

No seu balão de são joão
Que caia bem na minha mão
Ou numa pipa de papel
Me leve para além do céu

Se o coração disparar
Quando eu levantar os pés do chão
A imensidão vai me abraçar
E acalmar a minha pulsação

Longe de mim
Solto no ar
Dentro do amor
Livre para navegar
Indo para onde for
O seu disco voador

Ana Valeska Maia disse...

Bjs para vocês, meus queridos!

Crônicas do Cotidiano disse...

Doce, rico e saudoso. Que você sempre voe alto e mais alto. Voa pipa e seja livre como na infância de outrora.
Bjo na tua alma...