terça-feira, 13 de julho de 2010

Estamos todos bem

Minha mãe falou que os filhos nunca crescem. É como se os pais os enxergassem sempre como crianças. Lembrei das palavras amorosas de minha mãe porque peguei aleatoriamente na locadora o filme “Estamos Todos Bem” sem perceber que se trata da refilmagem do italiano Stanno Tutti Bene, filme que assisti no início da década de noventa, dirigido por Giuseppe Tornatore (o mesmo de Cinema Paradiso) e com Marcello Mastroianni no papel principal. O filme italiano é de partir o coração, o desamparo de Mastroianni é angustiante, enfim, o filme exibe de uma maneira muito mais intensa a crueza da vida. Na versão americana, mais leve e comercial, tudo é excessivamente limpo e organizado, não chegando a comprometer a emoção .que inevitavelmente jorrará. O protagonista é Robert De Niro, um viúvo que após a morte da esposa procura saber mais da vida dos quatro filhos. Após todos cancelarem a visita anual que costumavam fazer ao pai, ele resolve realizar uma jornada em busca de suas “crianças”. O filme exibe a viagem de um pai unindo fio por fio os laços familiares do afeto. Recomendo os dois filmes, dando os descontos para a mania de maquiar a imagem e as relações humanas do cinema de Hollywood e dou destaque para a versão italiana.





2 comentários:

Franzé Oliveira disse...

Gostei da postagem.
Beijos.

Crônicas do Cotidiano disse...

Estamos todos bem... Mas sempre é possível achegar um pouco mais!
Belo post e bjaumm