domingo, 9 de maio de 2010

Vera - a poesia do domingo


Uma linda mulher, maior flor do meu jardim.
Minha mãe!
Tece poesia e encantos. A poesia do domingo é dela e o amor que recebo de minha mãe me faz uma pessoa melhor.
Segue a poesia do ser humano mais lindo que conheço e que me ensina o que é o amor incondicional.

Humana


Eu sou assim...

Por uma questão de escolha,

ou predestinação. Não sei.

Também não me culpo

por ser assim...

Assim feia, assim bela

e as vezes insatisfeita.

Eu sou assim...

Sem repetição, sem conluios.

Acelerada, generosa e temerosa.

Atravessando desertos.

Escalando montanhas

e desmontando cativeiros.

Eu sou um mar que acolhe águas,

Se envolve e devolve sem cobranças.

Eu sou silenciosa, risonha

e cativada pela vida.

Eu estou aqui...

Em constante crescimento, me transformando

Sem saber de qual tamanho vou ficar

Ou se vou minguar.

Eu estou aqui...

Abortando a alma

Sorrindo, amando e

Chorando sem restrição.

Evoluindo para reverenciar

o amor incondicional.

11 comentários:

Gabriela Sobreira disse...

Lindo,lindo!

Franzé Oliveira disse...

Mãe e filha, LINDAS.
Parabéns as duas, sua mãe por ser mãe é claro e hoje é o dia dela e você por ser tão bela na sua essência de mulher. (vc é mãe tb?)Se for parabéns e se não for parabéns do mesmo jeito.
kkkkkkkk


Beijos.

Florêncio E. disse...

Ow jardim lindo!

Corpo meu, minha morada! disse...

Tão lindas quanto as flores!
Tão maiores que o universo!
Tanto amor, tanta poesia, tanta proteção.

xêroo

Anônimo disse...

DUAS BELAS MULHERES...
BELEZAS QUE SE ALIMENTAM DO AMOR...
MULHERES QUE VIVEM DA EMOÇÃO...
EMOÇÃO QUE EXPRESSAM NAS PALAVRAS...

Parabéns Aninha... Pela mãe que tens.. Parabéns Vera... Pela mãe que és...

Anônimo disse...

manhazinha cedo tentei postar um comentario para dizer da minha emoção cada vez que vejo, ouço (e quase sinto) o amor dessas duas mulheres sensiveis, que se fazem forte pelo amor e pela verdade. Não consegui. Mas, foi bom porque falei com você, foi bom porque matei um pouquinho dessa saudade grande. E foi melhor porque voltei ao blog e vi as duas (so)rindo e me emocionei de novo, cada vez que, mesmo à distância, me sinto pertinho de você.
bj. grande e saudoso nas duas, Vera (que é de vera, verdadeira) e Ana (que é Jo-ana, também, minha quase xará),
Jô.

Ana Valeska Maia disse...

Vocês são tão bonitos...

Pedro Henrique disse...

Linda poesia! Saudades, professora! Beijo grande. Pedro Henrique

Ana Valeska Maia disse...

Pedro Henrique, sinto falta de você na faculdade.
Bj grande.

Veleiro disse...

Moça, eu adorava as poesias da tua mãe. Lembro que fiquei muito impressionado quando li a primeira vez.

Uma vez, nos idos de não sei mais quando, eu anotei um versinho de sua mãe feito pra você que dizia mais ou menos assim...

"Este teu retrato que ninguém vê
Acalenta as minhas noites de paz
(...) E esta maternal emoção
Caracterizada pela certeza
De constatar que de mim
És a melhor parte."
Vera Maia

Não sei se decorei direito, mas foi esse versinho que ficou na memória de um poema da Vera chamado Exortação à minha filha. Será que é assim mesmo?

Um dia vi um livro de poesia dela com você e lembro que anotei numa velha agenda esse verso, isso há mais de 15 anos! Mas não deu pra esquecer, tem poemas que ficam grudados em mim desde a primeira leitura.

Mas outros versos também ficaram na memória...

Havia um que terminava assim: "deixarei que meus olhos te procurem ignorando o anseio desta ausência que em ti já se faz presente..."

Eu esqueço o café no fogo, mas não esqueço um poema que me tocou. Coisas da poesia.

Beijoss,

Sergio

Ana Valeska Maia disse...

Nossa Sérgio, que memória, quanta poesia flui de você meu amigo.
Vera lançou mais dois livros depois do que você leu. Se marcarmos levo pra você, será uma alegria.
E você acertou tudo, o trecho do poema, título, tudo.
Bjs meu amigo querido.