sábado, 2 de julho de 2011

Confissões de uma leitora irrefreável


Geralmente consumo não é problema pra mim. Até lido bem com as limitações financeiras diante do que desejo comprar. “Quando der eu compro”. Não aprecio dívidas. Nem ligo para vestidos, bolsas, sapatos, perfumes, jóias ou balangandãs. Estou “nem aí” para produtos de grife. Sinceramente tanto faz. Meu problema de consumo é na livraria. Lá tenho ansiedades, desejos incontroláveis, pulsões irrefreáveis. Devo admitir, virou vício. Hesito diante da porta de entrada. Assumo compromissos interiores: “vou só olhar”, “hoje não vou levar nenhum livro”. Na prática, quase sempre, traio minhas próprias promessas. Na livraria estou com o mundo. São tantas vozes, culturas, costumes, dialogando comigo. Em cada livro que abro existe um portal. Quando percebo aconteceu o laço, eles passam a me habitar. É difícil deixar a livraria com pedaços de mim lá dentro. Por isso trago os livros comigo. Para manter minha integridade.

Imagem: Alex Dukal

12 comentários:

Anônimo disse...

Engraçado, tenho sofrido impulsos bem similares aos descritos por ti. E dizem os especialistas que tal compulsão é irreversível! Portanto, o negócio é "conformar-se" e curtir bastante, kkk!!!

Parabéns pelo blog.

Rubens
Porto Alegre/RS

Carol Morais disse...

Ana, o meu maior problema nem é comprar muitos livros em uma visita descompromissada à livraria, é ficar por lá até o toque de fechar. Nossa, quando entro naquele ambiente recheado de livros do piso ao teto, fico louca. O ambiente, aquele ar me faz sentir um bem difícil de descrever. É impossível sair de mãos vazias, acabo saindo ao menos com um livro, mesmo que não desejasse levar nada. O livro não é um instrumento para mim, acho que sou instrumento dele. E a livraria parece mais um templo. L[a dentro me sinto segura e mais eu.

Anônimo disse...

È por isso qeue voce é uma mulher inteligente, diferenciada das outras. Então eu não entendo porque você é tão elegante e não gosta de roupas de grifes, jóias, etc. De onde vem essa elegancia toda. Há já sei do perfume de sua simplicidade do aroma de sua delicadeza e do amor pelo próximo. Verdade tem que ser dita e assino em baixo. Nós te amamos muito. beijos. Emanuel.

B., Antonione disse...

Ana, eu compreendo perfeitamente essa sensação de deixar pedaços de si numa livraria. Saber que tantas vozes por nós podem ecoar, contando histórias, culturas, solidões, amores, sentimentos encrustados, que em nós também vivem... e não poder resgatar essa voz humana e viva, que nos pertence, de volta para nossa alma-morada, é um tanto perturbador.

Anônimo disse...

Todo vício começa com pequenas coisas, uma pequena dose diária basta para aqueles que já possuem alguma inclinação para tal. ANA VALESKA, sua inclinação para leitura talvez tenha fundo genético.

O vício da leitura é um vício agradável, parabéns por esse dom e por isso que você uma pessoa recheada de sabedoria.

Fala em leitura tenho um historinha pra contar:

Titulo "BEBER LIVROS"

Certa vez eu estava em uma casa de praia em Paracurú , acompanhado de meus irmãos, quando resolvemos ir até uma barraca. Ali chegando formos atendido por um garçon por sinal bastante educado o qual passou a colocar cervejas nos copos que estavam na mesa, quando chegou a vez do meu sobrinho Tiago de 17 anos de idade o garçon olhou para meu irmão Brito, pai de Tiago e perguntou se ele bebia, tendo meu irmão incontinenti respondido com um tom de voz daqueles "ELE SÓ BEBE LIVROS". Todos cairam na gargalhada. Passado alguns minutos meu irmão BRITO foi contar por que do "beber livros" era pelo fato na época Tiago está se preparando para prestar exame vestibular e estava viciado em ler livros.
Edilberto Nobre

Sérgio Costa disse...

Não tem jeito mesmo, sofro do mesmo mal. Mas estou a vários meses sem comprar livros, pois estou com uns 20 aqui em casa na fila de espera pra serem devorados. E não quero cometer o pecado literário de começar um livro e deixar pela metade. :(

Ah, mas não resisto MESMO é a uma boa loja de CD's. Aí me acabo!!! Só esta semana foram 2 e 1 DVD

Anônimo disse...

Na verdade esse impulso irrefreável de ler livros, a gente adquire as vezes, quando você passa a conviver com pessoas cultas, isto aconteceu comigo, quando passei a estudar Direito na Fanor, no primeiro semestre cheguei a ler quatro livros um recorde e estou terminando o quinto livro. Você ANA VALESKA, foi uma das pessoas que mim incentivou a esse vicio irrefreável. obrigado, beijos. Edilberto Nobre

Anônimo disse...

Ana Valeska essa história de "beber livros" contada pelo Edilberto, aconteceu comigo, deixei de beber bebidas alcoolicas e agora gasto o dinheiro com livros. Percebi depois que a leitura edifica a personalidade do ser humano, eu acho que estou no rumo certo, não é verdade. Anderson

Marilde disse...

Adoro este blog, não só pelas postagens da Profª Ana Valeska que são de um excelso nível. Mas também pelos comentários que todos vocês deixam aqui. Incrível como aprendo e me identifico com alguns de vocês.

Ana Valeska Maia disse...

Agradecida a todos vocês, pessoas especiais, que comentaram neste post.
Bj grande.

Karla disse...

E você consegue ler todos ?
Porque eu também tenho esse habito, mas fico com uma sensação de culpa devastadora quando compro E nao consigo ler.

Karla disse...

Mas você consegue lê-los?
Porque eu tenho o mesmo hábito, porém nem sempre consigo ler tudo que compro. Daí, fico com um certo remorso. Você consegue entender?
Já se sentiu assim?

Cordialmente,

Karla.