segunda-feira, 23 de março de 2009

Olhe por dentro de mim


Há uns dias vi uma moça linda agonizando com o coração exposto, músculo crescido, vermelho e vivo, estava pra fora do corpo, como se fosse uma fratura, como um osso quebrado do braço que rasga a pele, deslocado do lugar, como se um acidente tivesse rasgado seu peito e de repente a linda moça tivesse que suportar uma dor humanamente insuportável. Ela chorava, gritava, urrava, esperneava, agonizava. Estava sentada em um banco de praça com sua dor escancarada, pública, a face desfigurada pela boca aberta, gritando um grito bem lá de dentro, das entranhas, o coração pendurado pelo fio das artérias, sangue venoso circulando, bombeando aquela órgão ferido, machucado, banhado de lágrimas. As pessoas tentavam socorrê-la, chamaram um médico, examinaram a origem da dor, mas só conseguiram laudos técnicos incapazes de explicar porque doía daquele jeito, pois obviamente não é a técnica que explica esse tipo de situação da vida. Procuravam colocar o coração da garota no lugar, mas ali só o tempo pra emendar, eu pensei. Notei que ninguém entendia, eita povo incompetente, cegos pela técnica superficial que quer botar tudo no mesmo saco. Afastei todos, saiam daqui, vocês pioram a situação. Minha amiga, meu nome é Joana, pare agora de chorar e olhe por dentro de mim, veja meu coração, ele está igual ao seu e você vai ter que aprender a viver com as costuras, moça bonita, quem já ficou assim sabe que quando fratura e quebra desse jeito, a gente tem que se acostumar com o craquelado, mas o que hoje te fragiliza pode ser a tua fortaleza de amanhã, minha flor, viver assim não é para amadores, mas entenda você se permitiu viver de verdade, e isso é grandioso, apesar de uivar de dor você não desistiu de você mesma como tantos já fizeram, você é uma linda mulher e eu estarei sempre ao seu lado pra te apoiar, mesmo que você não me veja, eu estarei.

18 comentários:

genetticca disse...

Hola Ana.

Vocè fala do coraçäo como um órgäo que conten sentimentos.
O coraçäo só é uma máquina que fez circular a sangue.
Os verdadeiros sentimentos nascen da alma, ela no é visible.
Na cabeça ten origen os reflexos,as ideas,mais é na alma onde realmente se sanan e se producen as feridas.
Simbolicamente utilizamos o coraçäo,éste,cuando nois morremos,morre, a alma voa,libre...
É muito expresiva a sua história,mais eu prefiero a dor da alma,é mais perdurable e auténtico.

Um bejo

Daniel Simões disse...

Uma das frases que mais corre por certas bandas, nestes dias, é: SEJA HOMEM!!!

(Homem de H grande, um Verdadeiro Homem)

Já pensei em colà-la na parede em frente à minha cama para ser a primeira coisa que veja ao acordar!

Por isso, eu digo a essa menina:

SEJA MULHER!!!

Ana Valeska disse...

meus amigos, na arte a gente trabalha com o simbólico, então não é pra levar tudo ao pé da letra... as vezes a gente usa o coração pra falar da alma e ninguém é menos homem ou mulher porque sente a vida ou as dores da vida de uma forma mais intensa.

Tatiane C. disse...

Eu compriendi o enredo do seu texto.
Até porque, só entende aquele que já sentiu a mesma dor.

Você está certa, não há nada além do tempo (e de Deus) que possa curar esse tipo de fratura.
Doe tanto, encomoda tanto... Mas só com o tempo é que a gente se acostuma e consegue viver como se nada tivesse acontecido...

Franzé Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
glória disse...

esse coraçào à flor da pele se expõe e perturba os corações anônimos trancafiados de medo. seja homem aquele que sabe tocar com firmeza no coraçào seja de quem for, seja mulher aquela que realiza o mesmo gesto. a força de uma palavra-chicote nào produz um homem e sim o poder tomar entre as màos o coraçào do outro e nào derrubá-lo. Como vc. sabe fazer tào bem waleska. bjs

Anderson disse...

Intenso e viceral! Acho que o estilo é novo por aqui. Gostei.

au revoir

Mônica. disse...

Amar dói, mas a vida pulsa!
Bjo, Aninha! ;)

Florêncio E. disse...

Sofrer de uma dor agonizante assim é terrível, esse fio que ficou ligado é como a última esperança de vida para esse coração. Vendo a esperança tão minimizada passa pode passar pela cabeça desistir, mas Joana é uma inspiração para não perder o último fio. Por mais que esteja sangrando e doendo, com o tempo essa abertura vai fechar e a cicatriz apenas vai ficar no peito como uma lembrança. Maior que o motivo qual possa ter ocasionado tal fatalidade com um pobre coração, é o tratamento que irá curá-lo.

Como a senhora havia falado, é um texto triste, mas traz esperança.

Beijo Profa.

Fulvio Ribeiro disse...

Olá como sempre otimo post...!!!
Abraço.

Geraldo Pinho disse...

Acho que estão querendo pegar no seu pé, mas...
Não quero me envolver nessa história. Deixei um comentário apenas para afirmar que achei muito bonito, também outras postagens mais antigas. Tudo muito bonito, as palavras e o visual, e o mais importante é que tem conteúdo. Parabéns!

Franzé Oliveira disse...

Menina Valeska, que texto belo. Chocante e verdadeiro. A vida é assim. Só existe essa dor em quem viveu, não se negou.

Bjos com carinho.

B., Antonione disse...

Oi Ana,

Tenho de confessar que lendo seu texto me veio a mente a imagem de Prometheus. Naquela época era atribuído ao fígado nossos sentimentos mais profundos, nossa razão e emoção. E era este exposto em Prometheus para ser machucado diariamente pela terrível ave. A simbologia é uma das mais perfeitas, e acho que conseguiu traduzi-la neste texto de uma forma muito bela. Embora nossos sentimentos estejam expostos ao mundo, passíveis de serem magoados a qualquer momento, é preciso aprender a lidar com isto. Se regenerar dos nossos machucados, sem deixarmo-nos esmorecer.

Um abraço, professora!

Fábio R. (obs: adorei o grupo de sábado)

Ana Valeska disse...

Valeu, Fábio, seja bem vindo!

Aline Lima disse...

A Ana é bonita. De coração muito além da matéria. =) Ô Ana linda!

Ana Valeska disse...

E tu é linda demais Aline!!!!!
quanta saudade...

Meninos e Meninas disse...

É engraçado. Mais uma vez estou meio que perdida em busca de respostas e entro aqui e parece que vejo estampado na minha cara, não somente a solução, mas o consolo. Ana, suas palavras me foram como bálsamo.Acho que você esconde asas por aí, não é não? Porque cê parece um anjinho enviado dos céus pra tocar o coração das pessoas.


Juliana Duarte.

Anônimo disse...

Aninha... Estou aqui novamente, saudade desse espaço, saudade de muita coisa, embora a esperança seja algo que me move, nos move. Nossas dores existem e fazem parte da vida, entretanto, elas nos faz criar... Algo tão além de nós mesmas, que nos faz existir, transcender! Que bom que temos a ARTE! Que bom ter seus escritos!

Você tem a arte, amiga, você sabe...

Muito carinho,

Ana