quarta-feira, 17 de março de 2010

Pedras e pérolas

Informação aos papoucos e a humanidade enfia-se caverna adentro. Complexo é o labirinto da vida e continuo a bater pedras. Um dia elas cedem e se prestam a novas construções. No fluxo da vida tudo é ventre e túmulo, sem início preciso ou fim específico. Importante é a caminhada e o que vamos plantando pela jornada. Geração gerando geração. Produto produzindo o produtor. Creio que derramo esforços à caça de um tesouro. Fatigada, respiro profundo e me refaço. Todos os dias. A cada passo vagaroso dos ponteiros, a cada batida do coração, a cada momento acomodado ou desenfreado. Vejo os consensos de resoluções rápidas e suspiro. O homem se coloca ainda como centro do mundo e estamos perdidos no espaço cegos para nosso destino comum. Quiseram me colocar em uma cápsula e eu disse não. A cápsula do consenso é o medo que nos faz construir grades, correntes e cercas em nossas moradas, em nossos encontros afetivos, em nossos corações. Sabe aquelas cercas retorcidas e pontiagudas que proliferam pelas cidades? Elas migram para nossos corações! As pessoas cercam seus sentimentos de arame farpado. Será que procuro uma pérola escondida por entre as pedras, ou o tesouro são as próprias pedras, que brutas, pedem para serem lapidadas e também serei eu a própria pedra que vou me lapidando? Preciso entrar na concha de proteção para me lapidar? Não sei. Acho que sou como Van Gogh, não tenho certeza de nada, mas sonho com o brilho das estrelas. Ontem transgredi as normas e mergulhei no oceano. Lá encontrei estrelas e uma pérola por entre as pedras, como se estivesse sempre a esperar meu mergulho para ser encontrada.

6 comentários:

Déo "Neguinho Atento" disse...

Aninhaaa

Que belo texto! Tô por aqui, sempre de olho nesse belo ser em movimento que encanta e inspira.
Saudades!

;o)

Daniel Simões disse...

A história mundana e a história espiritual não possuem fronteira definida: quando pensamos que existe uma fronteira, esta deixa de existir; quando pensamos que ela não existe, a objetividade do materialismo apresenta-se incontestavel.
Entretanto, enquanto descubro que eu próprio estou construindo a realidade, lá no Médio Oriente "eles" vão destruindo, de forma intencional, as memórias arqueológicas, para ver se eu, tu e os demais, nos esquecemos de perguntar quem somos e de onde viemos e acreditamos nas balelas evolucionistas, ou se engolimos as histórias criacionistas.
O Tesouro está mais perto de mim do que a ponta de meu nariz.
Porque Deus fez a coisa de modo a ser tão difícil alcançá-lo?
Ainda assim, insisto e presisto, porque quero.

Anônimo disse...

Sempre tão bom, para os olhos e o coração, ouvir tuas palavras, sempre carregadas de beleza e sensibilidade. Pérolas que esse mar grande, que é o teu coração, (Jo)Ana, generosamente divide com teus blogólatras fiéis.
Bj grande,
Jô.

Valdecy Alves disse...

Sem dúvida que a blogosfera é o grande espaço para divulgação do pensamento moderno. Seja o conhecimento necessário à sabedoria, seja o conhecimento necessário à construção da justiça social.... Assim, além de parabenizar pelo blog, convido para ler artigo no meu blog sobre os 10 municípios que pagam os 10 piores pisos no Estado do Ceará, abaixo do salário mínimo: www.valdecyalves.blogspot.com

Andréa Beheregaray disse...

Guria, lindo teu texto!

Me lembrou um vídeo de m sobrevivente da guerra, ai vai o endereço, se chama "pedra polida" :

http://www.youtube.com/watch?v=sduImONpZcA

Beijos!

Franzé Oliveira disse...

Isso é viver. Encontrada a motivação segue em frente. Essas perguntas que não querem calar. Estamos sempre em construção. Chegaremos onde?

Beijos menina. (LINDA)